Postagens

Mostrando postagens de Março, 2011

Augustus Nicodemus - A incredulidade no púlpito

Crer naquilo que a Bíblia diz é um dom salvador de Deus. Aptidão para falar em público, não. Crer em Jesus Cristo como o Filho de Deus encarnado é obra salvadora da graça. Capacidade para administrar uma igreja, não. Receber os relatos bíblicos em fé e viver por eles é resultado da operação salvadora do Espírito de Deus no coração. Capacidade para liderar um culto e dirigir uma liturgia, não. Fé nos relatos bíblicos de milagres é graça especial aos eleitos. Poder intelectual e acuidade mental, não.
É por isto que existem pastores e professores de teologia que são incrédulos. Pois para ser pastor e professor de teologia não é preciso fé. Tive um professor de teologia no mestrado que me confessou ter sido um agnóstico durante toda sua vida. Creu aos 65 anos de idade, durante uma enfermidade. Sua vida mudou. O famoso William Barclay, autor de um comentário em todos os livros do Novo Testamento, ao fim da vida confessou que nunca realmente creu em coisa alguma do Cristianismo.
Pastores e pr…

Vincent Cheung - Não pregamos a nós mesmos

Pois não pregamos a nós mesmos, mas a Jesus Cristo, o Senhor, e a nós como escravos de vocês, por causa de Jesus. (2 Co 4.5) Há um sentido no qual nunca devemos ser modestos na nossa pregação. Certamente não devemos fazer grandes afirmações sobre nós mesmos, mas em primeiro lugar não devemos pregar a nós mesmos. Na proclamação do evangelho, apresentamos Cristo como o merecedor de confiança e adoração. Declaramos Jesus Cristo como supremo. E se pregamos a ele e não a nós mesmos, seremos modestos sobre o quê? Nós o louvamos sem restrições, e sem medo de exageros. Existe um lugar para a humildade, e isso está no fato de dirigirmos a atenção para ele e para longe de nós. Essa humildade é invisível, porque sempre que está presente e é bem sucedida, dirige o foco para o Senhor. Um constante autorrebaixamento, de tal forma que ninguém pode deixar de notar, é sinal que a pessoa já falhou. A verdadeira humildade se traduz em uma agressividade em nossa pregação porque se a nossa pregação é fiel a…

Gordon Clark - A Trindade

por John Robbins O cristianismo sempre teve seus oponentes, incluindo muitos que se professam cristãos. Alguns desses inimigos da fé menosprezam a doutrina e louvam a prática, exortando os cristãos a mais e mais ações em vez de aprendizado inútil, especulação e controvérsias doutrinárias causadoras de divisão. Ainda outros depreciam a doutrina e insistem que a santidade consiste em ouvir Deus como ele nos fala através da igreja, dos amigos e de nosso coração. A estas pessoas, e aos cristãos enganados por elas, um livro inteiro sobre a Trindade deve ser um enigma. Por que alguém leria um livro como esse, sem falar em escrevê-lo? Alimentar os famintos e abrigar os sem-teto não são coisas mais importantes que entender a diferença entre homoousios e homoiousios? Quem afinal liga, pouco que seja, para sabelianismo e arianismo? Esquadrinhar o próprio coração não é mais importante que esquadrinhar um tratado sobre a Trindade? Infelizmente para essas pessoas, elas estão enganadas, e…

John Piper - Por que eu abomino o evangelho da prosperidade?

Imagem

Arthur Pink - A conversão do ladrão pela graça de Deus

Imagem
Sua conversão ocorreu numa época quando, exteriormente, parecia que Cristo havia perdido todo o poder para salvar, seja a si mesmo ou a outros. Esse ladrão havia marchado ao lado do Salvador através das ruas de Jerusalém e o tinha visto sucumbir sob o peso da cruz! É altamente provável que, como sua ocupação fosse a de ladrão e assaltante, esse fosse o primeiro dia que em que ele punha seus olhos no Senhor Jesus e, agora que o via, era sob toda a circunstância de fraqueza e desgraça. Seus inimigos estavam triunfando sobre ele. A maior parte de seus amigos o havia abandonado. A opinião pública estava unanimemente contra ele. Sua própria crucificação foi considerada como totalmente inconsistente com sua messianidade. Sua condição humilde foi uma pedra de tropeço aos judeus desde mesmo o início, e as circunstâncias de sua morte devem ter intensificado isso, especialmente a alguém que nunca o havia visto senão em tal condição. Mesmo aqueles que tinham crido nele foram levados à dúvida por…

Vincent Cheung - Justificação por Cristo

"Desde o tempo de Adão, Deus tem estado salvando seus escolhidos dando-lhes fé em Cristo, e a salvação vem somente de Deus, que salva somente através de Cristo. A justificação é pela fé não no sentido de que você pode se salvar pela sua fé; antes, a doutrina ensina que você nada pode fazer para salvar-se, mas que você precisa depender totalmente de outro alguém para salvá-lo. Assim sendo, a doutrina está ensinando justificação não pela fé como tal ou por si mesma, mas está ensinando que a justificação é por Cristo somente. É Cristo quem te salva, e não a fé em si. A fé tem um papel porque é Cristo quem te salva dando-lhe a fé nele (Efésios 2:8-9, Hebreus 12:2)." *
* Trecho do livro "Comentário sobre Filipenses" de Vincent Cheung.

Paul Washer - O Porco

Imagem
Visualizado originalmente pelo EstreitoCaminho

A imutabilidade de Deus e a eleição

Por Eric Nascimento de Souza A imutabilidade é um dos atributos intrínsecos de Deus, algo inerente à Sua própria natureza (Ml 3.6). Por imutabilidade consideramos que o Senhor não muda, ou seja, pela Sua perfeição nada é acrescentado ou diminuído na Sua personalidade. Não há como Deus mudar de opinião – pois eternamente Seus propósitos determinados são perfeitos – Não há como Ele ser “pego desprevenido” – pois, Ele trabalha de dia e de noite e a tudo conhece e perscruta (Jó 28.24). Alguns poderiam pensar: Então, seria um Deus estático, observador de tudo o que já determinou? Não, é um Deus dinâmico que interage com Sua criação direcionando-os aos Seus santos propósitos (Jó 42.2 e Is 19.17; 41.4). Outros diriam: E as observações de tristeza e outros sentimentos que o Senhor revela em Sua Palavra? Seriam antropopatismos¹, uma forma de comunicação, para quem estiver lendo perceber Sua intenção, Sua posição e Seu entendimento; o que Lhe agradaria ou não. Seria a forma mais simples de se co…

Greg Bahnsen - Lei de Deus para a verdadeira justiça

Se ao Estado falta fundamento moral para impor a punição civil a alguém por transgredir uma lei pública, qualquer ação punitiva que exercer será reduzida a uma situação em que o mais forte suplanta os desejos do mais fraco. “Sem justiça, o que são os Estados se não grandes bandos de ladrões?”, questionou Agostinho. Sem o fundamento moral para o uso da força em situações específicas, o uso da pena capital por parte do Estado é indistinguível do homicídio, o encarceramento não é diferente do seqüestro e cobrar multa em dinheiro é igual ao roubo. Por isso, para que os nossos Estados não se tornem bestas sem lei (v. 2Ts 2.3; Ap 13.16,17), precisa haver limites objetivos e claros para a coerção legal, uma lei acima da lei civil à qual se pode apelar contra a injustiça e a opressão. Esse critério objetivo é a lei revelada de Deus em suas prescrições e penalidades civis para delitos. A lei de Deus nos capacita a distinguirmos de forma coerente, fundamentada em princípios, entre pecado e crim…

Sofrimento e Glória de Deus - A história de Zac Smith continuou

Charles Spurgeon - Orações de Livre-Arbítrio*

Vocêstêm ouvidomuitossermõesarminianos,euousodizer,masnuncaouviramuma oração arminiana-poisossantosemoraçãoseparecemiguaisempalavra,açãoemente. Umarminianodejoelhosorarádesesperadamentecomoumcalvinista.Ele nãopodeorara respeito do livre-arbítrio: não há lugar para isso.Imagine-o orando: "Senhor, eu Te agradeçoquenãosoucomoessespobrescalvinistaspresunçosos.Senhor,eunascicomum gloriosolivre-arbítrio:eunascicompoderpeloqualpossomevoltarparaTipor conta própria;tenho melhoradominhagraça. Se todostivessemfeitoomesmoqueeufiz coma Tua graça, poderiam todos ter sido salvos. Senhor, eu sei que Tu não nos fazes espiritualmentepropensos se nósmesmos nãoqueremos.Tu dásgraça atodos;alguns nãoa melhoram, mas,eusim.Haverámuitosque irãoparaoinferno,tantosquantosforam compradospelosanguedeCristocomoeufui;elestinhamtantodoEspíritoSantoquanto mefoidadotiveramumaboachance,e foramtãoabençoadoscomoeusou.NãofoiaTua graçaq