terça-feira, 31 de maio de 2011

Horton Davis - Diferenças no culto calvinista e luterano

(1) A primeira grande diferença entre o culto Luterano e o Calvinista, considerada como um todo, é que o primeiro é mais subjetivo e o último é mais objetivo. Para Lutero a Bíblia é a Palavra de Deus na qual ele encontra a corroboração de sua experiência espiritual. Para Calvino a Bíblia é a declaração da vontade de Deus e tem nela toda autoridade. O culto luterano tende a se tornar a expressão da experiência que a Palavra gera. Sua atmosfera é de alguém grato pelo perdão misericordioso de Deus. No culto Calvinista mais proeminência é dada para a Bíblia como a declaração da vontade de Deus para a doutrina, conduta e governo da Igreja. A atmosfera característica é a de reverente temor perante a Soberana Vontade. O sermão no culto calvinista é um elemento objetivo de culto, porque é o proclamar e expor a vontade de Deus declarada em todas as partes dos Escritos Sagrados. Conseqüentemente, enquanto o culto luterano apela para o individual e expressa sua confissão na primeira pessoa do singular, o culto calvinista é corporativo e congregacional. Deus é concebido como declarando Sua vontade aos Eleitos e as orações feitas são a resposta corporativa à Sua Palavra, como o são os salmos metrificados.

(2) A segunda diferença é que o culto calvinista é mais bíblico em natureza que o luterano. Onde no culto luterano se contém hinos que são paráfrases da experiência cristã e ensinamentos cristãos, os louvores para Calvino eram inteiramente escriturísticos. Ele apenas permitiria os Salmos. Enquanto Lutero não se opunha ao uso de seqüências de prosas, provadas antes que sua doutrina fosse correta, Calvino insistia na leitura da Palavra de Deus sem embelezamentos. Outra vez, enquanto as orações luteranas poderiam proclamar a experiência cristã, como o arrependimento ou a adoração, nas formas originais de Calvino a liturgia apenas continha uma oração de confissão que era exclusivamente escriturística. Também Calvino incluiu o Decálogo como uma parte integral da liturgia de Estrasburgo.

(3) Uma terceira diferença entre os ritos luteranos e calvinistas é o da cosmovisão cúltica. Enquanto o culto luterano é composto de dois elementos, o movimento descendente de Deus em direção ao homem e o movimento ascendente do homem até Deus (estes sendo aproximadamente iguais em proporção), o culto calvinista é majorativamente um movimento descendente. Se o pensamento em primeiro lugar na mente de Lutero era a gratidão, o pensamento dominante para Calvino é que no culto o homem obedecia à Bíblia, pois à parte desta obediência ele não poderia oferecer uma aceitável adoração a Deus. A idéia fundamental do culto luterano era gratidão; a de Calvino era obediência. Ainda que existam elementos, tanto nas orações como nos louvores do culto calvinista que representem este movimento ascendente, o senso que prevalece é uma reverente humilhação perante o Deus vivo. Isto é exemplificado pela falta de uma específica oração de adoração no serviço calvinista. Se os adoradores luteranos eram “ laeti triumphantes”, os calvinistas eram “miseri et abiecti”. Esta distinção não é absoluta, mas aponta para uma real diferença de ênfase.

(4) Em quarto lugar, o culto luterano é mais rico no uso de cerimônias que o serviço calvinista. Anteriormente já foi mostrado que eram teológicas e não estéticas as razões para a diferença. Basta dizer aqui que o culto luterano é “rico” e o calvinista é “nu”.  As diferenças teológicas entre Lutero e Calvino refletidas nas diferenças de ênfases litúrgicas, são de todas importantes porque esta base litúrgica prepara o caminho para as diferenças entre os Anglicanos e os Puritanos na Inglaterra. É visto que a posição do Clero Estabelecido na Inglaterra era a de Lutero, enquanto que as visões dos Puritanos eram aquelas de Calvino. A analogia não é exata em cada detalhe, mas num todo é muito boa. Pode ser certamente mantido, no entanto, que as diferentes concepções da autoridade das Escrituras na mente de Lutero e na mente de Calvino reapareceram na controvérsia litúrgica entre os Puritanos e o clero Estabelecido, os Anglicanos. Os Puritanos foram os herdeiros dos Reformadores.

Extraído e traduzido do The Worship of the English Puritans — Horton Davis

Fonte: Revista Os Puritanos.

domingo, 29 de maio de 2011

Charles Spurgeon - Pessoas inspecionadas pelo Rei Jesus


Ele Se aproximará delas, e quando chegar a elas, procurará fruto. O primeiro Adão foi para a figueira procurando folhas, mas o último Adão procura figos. Ele perscruta totalmente o nosso caráter, para ver se há alguma fé genuína, algum amor verdadeiro, alguma esperança viva, algum gozo que seja fruto do Espírito Santo, alguma paciência, alguma abnegação, algum fervor na oração, algum andar com Deus, alguma habitação do Espírito Santo; e se Ele não vir tais coisas, não ficará satisfeito com a freqüência à igreja, às reuniões de oração, às santas ceias, às leituras bíblicas, aos sermões, porquanto todas essas coisas podem não passar de folhagem. Se nosso Senhor não vir em nós o fruto do Espírito, não ficará satisfeito conosco, e Sua inspeção levará a medidas severas. Notem que o que Jesus está procurando não são suas palavras, suas resoluções, suas alegações, mas sua sinceridade, sua fé interior, suas pessoas sendo realmente trabalhadas pelo Espírito de Deus para produzirem frutos dignos do Seu reino.

Nosso Senhor tem o direito de esperar fruto quando Ele vem procurá-lo. Quando Ele Se aproximou daquela figueira, tinha o direito de esperar fruto, porque o fruto, de conformidade com a natureza, aparece antes das folhas. Se, pois, já apareceram as folhas, deveria haver fruto. É verdade que não era tempo de figo; mas então, se não era o tempo de figo, certamente não era a estação das folhas, pois os figos aparecem primeiro. Esta árvore, ao produzir folhas, que são os sinais e indicações dos figos maduros, virtualmente fez propaganda dos figos que alegadamente linha. Portanto, por mais ruins que sejam os tempos, alguns de nós professam que não seguirão os costumes desses tempos, mas que seguirão a única verdade imutável. Como cristãos, confessamos que somos redimidos dentre os homens, e que fomos libertos desta geração perversa. Cristo talvez não espere fruto provindo dos homens que reconhecem o mundo e suas épocas mutáveis como sua orientação suprema; mas certamente pode esperar fruto daquele que crê na Sua própria Palavra. Ele espera fruto do pregador, do professor da Escola Dominical, do oficial da igreja, da irmã que dirige uma aula bíblica, daquele irmão que tem ao seu redor um grupo de jovens que ele orienta no evangelho. Espera fruto de todos aqueles que se submetem à Sua regra evangélica. Assim como Cristo tinha o direito de esperar fruto de uma figueira que trazia folhas, assim também Ele tem o direito de esperar grandes coisas daqueles que se declaram Seus seguidores que nEle confiam. Oh, como esse fato deve levar o pregador a tremer! Não deveria afetar um bom número de vocês da mesma maneira?
 
Extraído do livro "A figueira murcha", publicado pela PES.