quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Arthur W. Pink - Na justificação, a fé é um instrumento



...como somos justificados pela fé? Havendo dado uma tríplice resposta negativa: não pela fé como uma causa unida com obras (Romanistas), não pela fé como um ato de graça em nós (Arminianos), não pela fé como a recepção do testemunho do Espírito (Antinomianos); agora damos a resposta positiva. A fé justifica somente como um instrumento que Deus estabeleceu para a apreensão e aplicação da justiça de Cristo.
Quando dizemos que a fé é o “instrumento” de nossa justificação, deve entender-se claramente que não queremos dizer que a fé é o instrumento com o qual Deus justifica, mas o instrumento por meio do qual recebemos a Cristo. Cristo tem merecido a justiça para nós, e a fé em Cristo é o que faz que ante a vista de Deus a benção adquirida seja designada. A fé une com Cristo, e estando unidos com Ele somos possuidores de tudo o que está em Cristo, tanto como seja compatível com nossa capacidade de receber e a disposição de Deus para dar. Havendo sido feitos um com Cristo em espírito, Deus agora nos considera legalmente um com Ele.

...somos justificados por meio da fé, e não pela fé; não por causa do que a fé é, mas por causa do que a fé recebe. “Ela não tem eficácia por si mesma, mas como um vínculo de nossa união com Cristo. Toda a virtude de limpeza procede de Cristo, o objeto de nossa fé. Nós recebemos a água com nossas mãos, porém a virtude limpadora não está em nossas mãos, mas na água, porém a água não pode nos limpar se não a recebemos; ao recebê-la, unimos a água conosco, e é a maneira pela qual somos limpos. E por isso se observa que nossa justificação pela fé sempre é expressa em voz passiva, não na ativa: somos justificados por meio da fé, não que a fé nos justifique. A eficácia está no sangue de Cristo; a recepção dela está em nossa fé” (S. Charnock).

..."como justifica a fé o pecador diante de Deus? Resposta: A fé justifica o pecador diante de Deus, não por causa das outras graças que sempre a acompanham, nem por causa das boas obras que são os frutos dela, nem como se fosse a graça da fé, ou qualquer ato dela, que lhe é imputado para a justificação; mas unicamente porque a fé é o instrumento pelo qual o pecador recebe e aplica a si Cristo e a Sua justiça." (Catecismo Maior de Westminster). Ainda que esta definição tenha sido construída há mais de duzentos e cinqüenta anos atrás, ela é muito superior a quase qualquer outra definição sobre o tema, encontrado na literatura atual. É mais seguro falar da fé como o “instrumento” antes do que como uma “condição”, porque uma “condição” é geralmente usada para significar que por causa dessa condição um benefício é conferido. A fé não é nem a base nem a substância de nossa justificação, mas simplesmente a mão que recebe o dom divino que nos é oferecido no Evangelho.

Textos extraídos do livro "A doutrina da justificação", traduzido pelo Monergismo